SEM SACRIFÍCIO NÃO HÁ FOGO (Romanos 12:1)


Em um mundo egoísta e cheio de competição, Deus estabelece através de seus princípios de vida, e vida eterna, algo chamado sacrifício. E sacrifício dentro de seus muitos conceitos, significa também abrir mãos de direitos, visando uma multiplicação de bem estar. No antigo testamento os sacrifícios (sacrifícios de animais) eram dirigidos a Deus pelo seu povo com o intuito de buscar expiação por pecados, adoração e consagração. Com a vinda de Jesus tornou-se desnecessário o sacrifício de animais em prol destes objetivos, pois o maior de todos, o sumo sacerdote veio e se ofereceu como sacrifício, morrendo na cruz por todos os pecados da humanidade. Mas a necessidade de sacrifício não acabou nesse ponto, pois Jesus veio justamente nos ensinar o propósito do sacrifício e como seria muito mais desafiador praticá-lo em vida, fazendo morrer em nos as praticas da carne, gerando assim o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, abrir mão de direitos, pensar nos outros antes de si mesmo, negar a natureza carnal recebendo em troca o gozo no espírito. (Fl 2:3-11)
No livro de Romanos, capítulo 12, verso 1, aprendemos que o desejo do Senhor é que conscientemente nos ofereçamos em sacrifício vivo, com atitudes e escolhas que apontem para Jesus, que revelem Jesus em nossas atitudes, gerando um caminho diferente do que seria trilhado por aqueles que vivem somente para si mesmos.
Essa passagem bíblica é muito simples, mas guarda em si um ensino que pode mudar a percepção global a respeito das relações interpessoais. Famílias, empresas, entidades acadêmicas, todos podem mudar completamente suas bases relacionais a partir da compreensão dessa verdade do coração de Deus descrita em sua palavra e executada na pessoa de Jesus Cristo.
O grande sacrifício para a humanidade hoje consiste em obedecer a Deus. No fundo todos sabem o que é certo de ser feito, mas na maioria das vezes o certo não trás retorno, não garante vantagem e essa é a base dos relacionamentos de hoje. Retorno e vantagens. O que Jesus faria em seu lugar? Que decisões ele tomaria em seu lugar? Que passo Jesus teria dado trilhando o caminho por onde você tem andado?
São perguntas que revelam dentro de nós se temos ou não uma vida de sacrifício, pois Deus espera de nós sacrifícios espirituais, escolhas que tenham como foco o relacionamento com o seu criador e não primeiramente com seus sonhos e desejos particulares. Em 1 Pedro, capitulo 2, verso 5 percebemos que a única forma de viver uma vida de sacrifício é através de Jesus, apontando para Ele, imitando seu exemplo e reproduzindo seu caráter.
Temos visto em todas as partes crentes, servos de Deus aplicados na palavra, que quando colocados diante de certas escolhas, optam por seus desejos pessoais, suas garantias terrenas e passageiras, desacreditando do poder de Deus, como se seus desafios fossem atar as mãos daquele que é o todo poderoso.

Trabalhemos com fatos: Sacrifícios para o homem é negar a sua própria vontade e natureza, é calar quando injustiçado, é não revidar o tapa (às vezes palavras são como verdadeiros tapas), é priorizar as coisas de Deus, é ficar no anonimato quando faz algo muito valorizado por si mesmo, é perdoar a ofensa, é dar além do pedido, é honrar aquele que é menor, é amar aquele que o ofendeu, é negar a ótima oportunidade de emprego por saber que ela o afastaria do serviço a Deus, é submeter-se e prestar contas, é reconhecer os efeitos de escolhas egoístas, é olhar para Deus e dizer: “eu errei e não sou nada sem o seu perdão...”

Somente em Jesus vamos encontrar forças e testemunho (Mt 18:11) para negar a natureza cravada em nós, aprendendo a priorizar o sacrifício vivo, que significa inteligentemente decidir colocar as atitudes comuns ao Reino de Deus em prática contradizendo completamente aquilo que é comum a esse mundo. Sem esse tipo de sacrifício o homem vive suas escolhas e morre lutando infeliz disputando tudo com todos sem jamais sentir-se pleno e saciado.
Sem sacrifício tudo parece normal, e regido pelo tempo que mata todas as coisas. A vida segue fria e sem sentido (se não fosse assim porque então pessoas cheias de recursos, inclusive financeiro, cometem delitos, usam drogas e até cometem suicídios?), mas o sacrifício atrai o fogo, e fogo dói, assim como todo processo de purificação e desenvolvimento, mas é o fogo que revela a glória, e isso significa dizer que é o fogo que revela o que há de melhor e mais excelente em você, o fogo revela o seu verdadeiro potencial, e é isso que da gosto á vida. Isso é ser sal! (Mt 5:13)
Imagine comigo agora se todos os seres humanos vivessem hoje nesse padrão. Pense se todos decidissem abrir mão de seus direitos, se resolvessem se sacrificar visando o bem do próximo, o bem comum. Não teríamos guerras, nem fome, nem disputas, nem brigas por reconhecimento, nem atrocidades visando lucros... Seria uma vida em sacrifício, atraindo o fogo que nos refinaria, gerando a gloria que seria a revelação do nosso maximo potencial e essência. Seria visto em nós não mais o nosso querer, nem mesmo nossa necessidade de aparecer e sim seria vista a face de Cristo.
A mudança do que está a nossa volta começa em nós! Deixemos de lado a falsa gloria deste mundo, deixemos de lado o medo de ser verdadeiros crentes no SENHOR JESUS, pois a gloria é vindoura e certa, mas a nossa parte agora é continuar o ministério que Jesus começou. Vamos dar as mãos, unir os nossos corações e em sacrifício gerar o fogo que trará a gloria de Deus! Lembrando que a gloria não é uma fumaça branca, e sim sabedoria e conhecimento a respeito do REINO DE DEUS!
Você acha que tem se sacrificado muito?
Olhe pra Jesus e você vai perceber que o melhor de você ainda não foi gerado... Abra mão! Chame a gloria! Ofereça o seu sacrifício em VIDA! Pois sem fogo não há glória...

Deus te abençoe!

Pr. Saulo Moscoso (Projeto Casa de Oração) www.projetocasadeoracao.com


Comentários

Em Destasque

NÃO ANDO SEGUNDO O CONSELHO DOS ÍMPIOS (Salmo 1)

QUEBRANDO A QUINTA COLUNA (Nm 16)